Monday, August 25, 2014

Self-disclosure



 Artwork: Âncora (Starjammers, 2014 - Série "Eu hei-de encontrar o real")




Uma árvore muito alta.


Havia uma árvore muito alta,
que era dita amiga de boa sombra
em canções e em segredos.

Havia quem dela guardasse memória,

quem dela não fizesse história,
quem para ela não olhasse duas vezes.

Um dia, veio um homem que aparou a relva e fez
aparecer um muro, uma placa que a dizia importante.

Houve, no dia seguinte, uma inauguração,
vieram senhores esguios, de óculos escuros,

que sorriram com propósito,
e comeram muitas saladas

num pires que lhes sobrava da mão.

Nos dias que se seguiram,

vieram amigos, novos, antigos,
apenas para ver a árvore muito alta,

ao longe agora,
pois havia entretanto o muro

que se dizia feito para a proteger.

Com o tempo, a árvore muito alta, protegida,
foi sendo progressivamente esquecida.

Nas suas alturas menos escondidas
foram aparecendo agrafos, placards de anúncios,

ervas daninhas, asperezas.

Uma vez, um dia, uma mulher foi ver a árvore,

e, lembrada talvez da infância,
saltou o muro e enfiou-se lá dentro.

Ouviu-se uma espécie de fala,

própria das árvores que ficam à espera,
muito altas, ansiando por amigos.

A partir desse dia, os amigos, de visita,

viram que a árvore protegida, muito alta,
foi ficando cada vez mais pequena.

Nas traseiras da casa da mulher cresceu,

pouco tempo depois,
uma árvore muito alta,

onde a mulher anda de baloiço,
depois de fazer arroz doce
e guardar duas notas de cinco para dar aos netos.



                                                                                                          (para a minha mãe)

It`s an outlier!

Julho.


Em Julho,
o que fica são as noites tépidas,
quando os velhos de mangas cavas
se põem a contar as feições lendárias
das suas conquistas antigas.

Friday, August 08, 2014

Palavras de Cotrim

Totobola.


Naquela manhã, ele saiu à rua, o cabelo, enxuto, louro, sem mácula, a t-shirt, dois números acima.

Entregue ao seu critério, olhou a multidão sem pressa. De pés a descoberto, os vincos dos lençóis ainda no rosto, pensou em bons propósitos - uvas, gelados de limão, armários de três portas - e percorreu a cidade, confiante, sem embaraço, como se habitasse o corpo de um outro homem, bom de números, razões, gavetas.


Amanhecia ainda o néon da lavandaria, os olhos dele aguardavam, enfim, qualquer coisa reprodutiva.

Era um dia importante, dia de consumar uns quantos motivos duradouros - ser, por fim, gente que pode, um marido que regressa,
um filho que espera, uma mãe que acredita.

Naquela manhã, ele ia tentar, de novo, o totobola, as mãos verdes, trémulas, cheirando ainda a lençóis do lidl, a sabonetes de glicerina.

Tuesday, August 05, 2014

It`s an outlier!

Poupar-mais.


No supermercado,
à saída,
as comidas apitam.
 

Parecem temer o futuro:

nos garfos,
nos refogados,

as comparações
(que intimidam),


nas bocas
das visitas.

Thursday, July 17, 2014

It`s an outlier!

Ir à missa.



A avó célia já sai pouco de casa.
Dizem que já não vale a pena.

Quando soube que ia ser bisavó,
riu-se, disse que já sabia, que tinha
ouvido de manhã à saída da missa.

Gostei de a ver rir, e, em particular,
de saber que,
apesar de já não sair de casa,
ainda arrisca o consolo de
supôr sair de manhã para ir à missa.

It`s an outlier!

Vaya con dios.


No verão,
os irmãos enjoavam juntos no banco de trás,
o cd de volta ao tema um
no velho toyota corolla.

Falam disso ainda hoje,
surpresos pelo regresso passeante
aos cozidos de canal caveira.

Esperavam que os penhores da vida levassem tudo,
depois daquele adeus austral na estação de santa apolónia.

Palavras de Cotrim

Desemprego.

 

cedo
em manhã escura,

homens descalços
desculpam-se,

o riso surge-lhes difícil
(esperam, enfim, a sua vez),

não trazem palavras notícias,

discutem
a próstata,
a ovulação,
a palestina,

estiveram longos anos ausentes,
em viagem,

ninguém os espera,
agora,
num almoço,
nos salões,

dizem-nos uma sombra,
fazem parte de listas,
de estatísticas.

Friday, July 11, 2014

Palavras de Cotrim

Valência.

 

Lembra-se ainda de ter dado beijos
nas aulas de físico-química.

Ela aproximava-se, e o seu braço tocava o dela.

Reviam a matéria dada,
os bons condutores térmicos,

o movimento do pêndulo,
ele improvisando com desenvoltura.

No regresso a casa,
(antecipando louvores na pauta)


levava sempre
penitentes,
ainda sensíveis,
uns quantos electrões de valência.

Thursday, June 19, 2014

It`s an outlier!

Any given sunday (Anselmo Ralph).


Aos domingos,
por vezes,
espreito com
espanto
o esplendor exclamativo
do que é feito para entreter.


Este domingo,
espreitei anselmo ralph,
verniz moço decorativo,
cogitando, veloz, inéditos
de militância decidida -

anselmo clarificava,
com sentimento,
mãos dedos cotovelos,
palavras
que são verbos,
e, depois, sensível,
dizia pá,

-

e eu com ele,
fiquei esclarecido,

o que pode ser ainda um domingo,
o novo em-comum susceptível de memória.

It`s an outlier!

Concessionário.


(I)

Seat Ibiza
Seat Toledo
Citroen BX,
cinco lugares,
como novo.


Opel Corsa
comercial,
mil e quinhentos,
iva dedutível.


Fiat Uno
Fiat Panda
S,
cor preta.


Mitsubishi,
livro de revisões em dia.


Renault Traffic
Ford Transit,
Toyota Corolla
de oitenta e seis,
volante em couro,
bom preço.


Alugam-se,
com facilidades de pagamento,
barcos, motas e alfaias agrícolas,
Famel
Zundapp
Sis-sachs
v5.



(II)

Sempre que percorro, como hoje,
o concessionário,
duvido
do amparo a dar à dúvida,
no confronto
com tão extensa
imensidão afirmativa.

Wednesday, April 30, 2014

It`s an outlier!

Mão-dada.


Aos vinte anos, o meu avô foi ao sulfato a frança, três dias numa bedford das novas,
que subia, descia, e fazia bem as curvas.

Diz ele, o meu avô, que nestes dias não teve fome, dado o susto, a hora marcada, a via sacra da responsabilidade, levar um saco de moedas com um furo no meio.

O recado foi aviado com especial sentido de resguardo, de frança vieram três pacotes de sulfato,
uma história enfim distante, pequena soma de diferenças assim contada: havia uma curva em espanha, nos cruzamentos, na dúvida, o meu avô seguiu sempre em frente, o caule tenso, os pés enxutos, as calças coçadas.

Aos noventa e dois anos, o meu avô usou pela primeira vez desodorizante, diz que há uns cheiros do corpo que talvez fiquem melhor assim.

Um dia, ainda vou saber que o meu avô foi em tempos à ponte de leça e deu passeios de mão dada.

Wednesday, April 09, 2014

Self-disclosure

Tarde.



terça-feira:

o teu sorriso
chegado tarde,

sereno,
apetecido,

recordou-me
(de novo)

o remoer da vida,
querendo.